Ads Spider - Monetize seu Site

Classificação da Perseguição Religiosa 2019!

Classificação da Perseguição Religiosa 2019!
Classificação dos 50 Países com Perseguição Religiosa, onde seguir à Jesus pode custar a vida. Atualizado em 2019.

Escola Bíblica - 4º Trimestre 2019

Canal Luísa Criativa

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Adão e Eva: pesquisa sobre DNA constata que humanos vieram de um único casal

Adão e Eva: pesquisa sobre DNA constata que humanos vieram de um único casal


As pesquisas científicas que se baseiam na Teoria da Evolução podem ser obrigadas a rever suas conclusões após um novo estudo sobre DNA comprovar o que diz a Bíblia Sagrada sobre a origem humana. Uma pesquisa abrangente do código genético mostra que a raça humana surgiu de um único casal adulto. A pesquisa foi liderada pela Universidade Rockefeller e pela Universidade de Basel, na Suíça, e surpreendeu a todos os envolvidos. “Esta conclusão é muito surpreendente”, disse David Thaler, pesquisador associado da Universidade de Basel. “E eu lutei contra isso o mais forte que pude”, acrescentou, revelando sua contrariedade por ver o relato bíblico sendo comprovado.
A pesquisa ainda mantém uma compreensão sobre a idade do planeta diferente do narrado na Bíblia, apontando que os humanos modernos teriam surgido entre 100 mil e 200 mil anos, mas o tempo estimado é muito diferente, e mais recente, do que as alegações da teoria da evolução.
Além dessa diferença, o casal “Adão e Eva” da pesquisa teria surgido após um evento catastrófico que quase eliminou a raça humana. A Bíblia é uma história de um casal criado por Deus já na fase adulta.
Outra surpresa para os cientistas, no entanto, foi que nove de cada 10 espécies de animais também vêm de um único par de seres. Os dois cientistas que lideraram o estudo concluíram que 90% de todas as espécies de animais vivos hoje vêm de pais que começaram a dar à luz aproximadamente na mesma época, menos de 250 mil anos atrás.
“No momento em que os humanos colocam tanta ênfase nas diferenças individuais e de grupo, talvez devêssemos passar mais tempo nos modos como nos parecemos um com o outro e com o resto do reino animal”, disse Mark Stoeckle, o outro responsável pelo estudo.
O estudo também sugere que pessoas e animais são muito semelhantes geneticamente entre si, apontando o que pode ser interpretado como uma espécie de assinatura do Criador. “Se um marciano pousasse na Terra e encontrasse um bando de pombos e uma multidão de humanos, um não pareceria mais diverso do que o outro de acordo com a medida básica do DNA mitocondrial”, explicou Jesse Ausubel, diretor do Programa para o Meio Ambiente Humano na Universidade Rockefeller.
De acordo com o portal WND, Stoeckle aprova a ilustração, acrescentando que “cultura, experiência de vida e outras coisas podem tornar as pessoas muito diferentes, mas em termos de biologia básica, somos como os pássaros”.
Fonte de Referência:  https://youtu.be/14zM_DqZRAI

A Eva Mitocondrial

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Hebreus

Hebreus
Resultado de imagem para Hebreus
O povo hebreu, ou hebraico, também conhecidos como israelitas ou judeus, faz parte de uma das mais importantes civilizações da Antiguidade – a civilização hebraica.
Destacam-se, também, na civilização antiga, os persas e fenícios.

Origem

Esse povo que inicialmente vivia na Mesopotâmia, era um povo nômade e vivia em busca de solo favorável para a criação do seu gado.
Por volta de 2000 a.C. foram para a Palestina, atual Israel, por orientação de Abraão, em busca da Terra prometida – Canaã.
Anos depois, em decorrência da seca que atingiu a Palestina, os hebreus foram para o Egito, onde, passado algum tempo, começaram a ser escravizados, sendo libertados da escravidão por Moisés no conhecido episódio bíblico da travessia do Mar Vermelho em que se Moisés abre uma passagem e divide o mar para que os hebreus fujam de regresso à Palestina.
No Antigo Testamento da Bíblia, há muitos relatos sobre esse povo da Antiguidade, de origem semita. Veja o trecho do Livro de Êxodo sobre a travessia:
Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas.

Resultado de imagem para deus abre o mar

E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda.

E os egípcios os seguiram, e entraram atrás deles todos os cavalos de Faraó, os seus carros e os seus cavaleiros, até ao meio do mar.” (Êxodo 14:21-23)

Economia

Enquanto dedicavam-se à pecuária, o povo hebreu era um povo nômade, mas de 
regresso à Palestina passou a se dedicar à agricultura, ao artesanato e ao
comércio, se tornando, assim, um povo sedentário.

Religião

Judaísmo é o nome da religião desse povo. Os hebreus eram monoteístas e cultuavam
a Javé. A sua religião estava baseada nos Dez Mandamentos, escritos por Deus nas
Tábuas da Lei e entregues a Moisés, no Monte Sinai.

Sociedade

A governação do povo hebreu passou por três períodos: patriarcas, seguidamente, juízes e, finalmente, reis.
Patriarcas: Abraão, Isaac e Jacó
Juízes: Sansão, Otoniel, Gideão e Samuel
Reis: Saul, Davi e Salomão
Após a morte do rei Salomão, e na sequência da revolta do povo contra a desigualdade 
social oriunda do pagamento de altos impostos, a Palestina foi dividida em dois
reinos, formadas por 10 tribos de Israel e por 2 tribos de Judá.
Anos mais tarde, os reinos foram conquistados pelos assírios e pelos 
babilônios, respetivamente. Data dessa altura o Cativeiro da Babilônia. 
Séculos depois Jerusalém é destruída e os judeus são obrigados a 
dispersar-se. É a conhecida Diáspora Judaica.

Herança cultural

Visto que o cristianismo tem origem na religião judaica, a civilização hebraica
influenciou largamente a civilização contemporânea.
Os hebreus construíram grandes palácios e templos, o maior deles foi o Templo de 
Jerusalém, que foi destruído pelos romanos, dele sobrando apenas um muro, o qual
atualmente é conhecido como o Muro das Lamentações que compõe o Patrimônio 
Mundial da Humanidade.
Continue sua pesquisa. Leia: Persas e Fenícios.
















domingo, 25 de novembro de 2018

Renascimento Artístico

Renascimento Artístico



Renascimento Artístico representou uma das vertentes do período renascentista com a profusão de diversas obras.

Lembre-se que o Renascimento foi um movimento artístico, intelectual e cultural que teve início no século XV na Itália.
Foi com o declínio do sistema feudal e de diversas caraterísticas associadas ao período medieval, que surgiu a Renascença, um período de efervescência cultural, artística e científica que se espalhou pela Europa.

Características: Resumo


Renascimento Artístico
A Adoração dos Reis Magos (1475) de Sandro Botticelli
Diferentemente da arte medieval, o renascimento artístico esteve inspirado na antiguidade clássica, ou seja, nas artes greco-romana, que haviam sido esquecida durante séculos.
Para os artistas do renascimento, o contexto associado ao período medieval impossibilitou a evolução da arte em diversos aspectos, uma vez que o medievo esteve intimamente relacionado à uma cultura religiosa, donde o teocentrismo (Deus no centro do Universo) regia a vida das pessoas.
Foi a partir do avanço científico, social e cultural que surge o movimento do renascimento, o qual foi marcado sobretudo pelo caráter humanista.
Assim, o teocentrismo medieval dá lugar ao antropocentrismo renascentista, com a chegada da Idade Moderna.
A grande contribuição da arte renascentista foi a descoberta da perspectiva e da profundidade. Assim, do plano reto e bidimensional da arte medieval, a arte da renascença promoveu um outro olhar.
Outros aspectos, não menos importantes, explorado pelos artistas do renascimento, foi o equilíbrio das formas e a busca da harmonia, fundamentadas na arte clássica.
Vale lembrar que o renascimento artístico incluiu a evolução da pintura, escultura, arquitetura e literatura, valorizando aspectos humanos e da natureza.
Ainda que muitos temas explorados pelos artistas do renascimento estejam associados ao plano religiosos e espiritual, a mudança de mentalidade da época proporcionou incluir uma variedade de temáticas desde os costumes, a mitologia, as paisagens, dentre outros.
Saiba mais sobre alguns conceitos nos artigos:

Principais Artistas e Obras

Segue abaixo os principais artistas e obras do período renascentista, os quais foram grandes destaques na área da pintura, arquitetura, escultura e literatura.
  • Leonardo da Vinci (1452-1519): sem dúvida Leonardo foi um dos principais artistas do Renascimento. Pintor, escultor, arquiteto e literato renascentista, de suas principais obras destacam-se: A Mona Lisa (La Gioconda), A Última Ceia, A Virgem das Rochas e o Homem Vitruviano.
  • Michelangelo Buonarroti (1475-1564): pintor, escultor, arquiteto e escritor renascentista, Michelangelo, considerado o “Gigante do Renascimento”, destacou-se com a produção de sua escultura de David, Pietá e Moisés e ainda, o afresco localizado no teto da Capela Sistina.
  • Donatello di Niccoló (1368-1466): escultor italiano nascido em Florença, teve grande destaque na arte renascentista. De seus trabalhos destacam-se as esculturas: David, Gattamelata, São Marcos e Tabernáculo de São Jorge.
  • Sandro Boticcelli (1445-1510): pintor e desenhista italiano, Boticcelli foi um dos principais nomes do renascimento italiano. De suas obras destacam-se: O Nascimento de Vênus, Adoração dos Reis Magos, Primavera e Virgem com o Menino e São João Batista Criança.
  • Rafael Sanzio (1483-1520): pintor italiano que em suas obras, utilizou a técnica do contraste de luz e sombras, sendo reconhecido como um dos principais nomes do movimento renascentista. De suas obras merecem destaque as diversas pinturas de Madonas e O Casamento da Virgem.
  • Masaccio (1401-1428): pintor italiano considerado o primeiro grande pintor do renascimento artístico. De suas obras merecem destaque: Sagrada Trindade, A Natividade, Tríptico de San Giovenale e Expulsão do Paraíso.
  • Filippo Brunelleschi (1377-1446): arquiteto e escultor italiano. Suas principais obras arquitetônicas foram: Domo (cúpula) da catedral de Santa Maria del Fiore, o Hospital do Inocentes, o Palácio Pitti e a Capela Pazzi.
  • Tintoretto (1518-1594): Jacopo Comin, mais conhecido como Tintoretto, foi um pintor italiano da última fase do renascimento artístico (denominada dealto renascimento). Considerado precursor do movimento do barroco, suas obras mais notáveis são: Marte e Vénus surpreendidos por Vulcano, O Milagre de São Marcos, A Última Ceia e São Jorge lutando contra o Dragão.
  • Paolo Veronese (1529-1588): pintor italiano pertencente à última fase do renascimento, a obra de Veronese abrange aspectos da escola maneirista. De suas pinturas mais notáveis destacam-se: As Bodas de Caná, A Batalha de Lepanto, O Sacrifício de Isaac e Adoração pelos Magos.
  • Andrea Mantegna (1431-1506): pintor e gravador italiano, Andrea contribuiu com a técnica do ilusionismo espacial. De suas principais obras merecem destaque: Quarto dos esposos, Lamentação sobre Cristo Morto, Judite e Holofernes e A Circuncisão de Jesus.
  • Fra Angelico (1387-1455): Guido di Pietro Trosini, mais conhecido pelo nome Fra Angelico foi um pintor italiano, beatificado pela Igreja Católica em 1982. Um dos precursores da pintura renascentista, destacou-se com suas obras: O Juízo Final, Adoração dos Reis Magos, A Anunciação e A Coroação do Virgem.
  • Donato Bramante (1444-1514): arquiteto e pintor Bramante foi discípulo de Andrea Mantegna. Contribuiu para as construções arquitetônicas da Igreja de São Pedro em Montorio e da Basílica de São Pedro. Na pintura, merecem destaque as obras: Cristo na Coluna e Homens de Armas.
  • Dante Alighieri (1265-1321): escritor italiano, considerado um dos primeiros e dos maiores escritores de língua italiana. Além da literatura foi um estadista e político da época da renascença. De suas obras merece destaque: A Divina Comédia, Sobre a Eloquência Vernácula, Vida Nova e Monarquia.
  • Francesco Petrarca (1304-1374): escritor italiano considerado o "Fundador do Humanismo Renascentista" e criador da forma fixa literária, os sonetos. De suas obras destacam-se: Cancioneiro e o Triunfo, Meu Livro Secreto, Itinerário para a Terra Santa e Remédios para os Trancos e Barrancos.
  • Giovanni Bocaccio (1313-1375): escritor e humanista italiano, Bocaccio foi um estudioso da obra de Dante. Sua principal manifestação literária é sem dúvida “Decameron”, grande obra que inclui cerca de 100 novelas. Além dela merecem destaque: Mulheres famosas, Rima e Visão Amorosa.
  • Nicolau Maquiavel (1469-1527): escritor, historiador e político italiano, Maquiavel foi um dos grandes nomes da literatura renascentista. Considerado o “Pai do Pensamento Político Moderno” sua principal obra é “O Príncipe” que aborda sobre o tema da unificação italiana.
Saiba mais no artigo: Artistas do Renascimento
Para complementar sua pesquisa, veja também os artigos:

Fonte de referência, estudos e pesquisa: https://www.todamateria.com.br/renascimento-artístico/

Patrística - Filosofia

Patrística

Resultado de imagem para patristica
A Patrística, Escola Patrística ou Filosofia Patrística, foi uma corrente filosófica cristã da época medieval que surgiu no século IV.
Recebe esse nome pois ela foi desenvolvida por diversos padres e teólogos da Igreja, os quais eram chamados de “Pais da Igreja”.
Sua figura mais importante foi Santo Agostinho de Hipona.

Características da Patrística

A Patrística é considerada a primeira fase da filosofia medieval. Sua principal característica era a expansão do Cristianismo na Europa e o combate aos hereges.
Por isso, essa doutrina filosófica foi representada pelo pensamento dos Padres da Igreja, que aos poucos auxiliaram na construção da teologia cristã.
Baseada na filosofia grega, os filósofos desse período tinham como objetivo central compreender a relação entre a fé divina e o racionalismo científico. Ou seja, eles buscavam a racionalização da fé cristã.
Portanto, os principais temas explorados por eles estavam ancorados nas vertentes do maniqueísmo, ceticismo e neoplatonismo. São eles: criação do mundo; ressurreição e encarnação; corpo e alma; pecados; livre arbítrio; predestinação divina.

A Patrística e Santo Agostinho

Resultado de imagem para patristica
Santo Agostinho (354-430) foi teólogo, bispo, filósofo e o principal expoente da Patrística. Seus estudos estiveram voltados para a luta do bem e do mal (maniqueísmo), bem como do neoplatonismo.
Além disso, ele focou no desenvolvimento do conceito de “pecado original” e do “livre arbítrio” como forma de livrar do mal. A “predestinação divina”, associada à salvação dos homens pela graça divina, também foi um dos temas explorados por Agostinho.
Acreditava na fusão da fé (representada pela Igreja) e da razão (representada pela Filosofia) para encontrar a verdade. Ou seja, as duas poderiam trabalhar juntas, cuja razão auxiliaria a busca da fé, que por sua vez, não poderia ser atingida sem o pensamento racional.

Patrística e Escolástica

A Patrística foi o primeiro período da filosofia medieval que permaneceu até o século VIII. Durante sete séculos, a filosofia esteve voltada para os ensinamentos dos “homens da Igreja” (teólogos, padres, bispos, etc.).
Logo depois, surgiu a Escolástica no século IX. Esta permaneceu até o início do Renascimento, no século XVI.
Resultado de imagem para tomas de aquino
São Tomás de Aquino (1225-1274), chamado de “Príncipe da Escolástica”, é o maior representante dessa escola e seus estudos ficaram conhecidos como Tomismo. Ele foi nomeado Doutor da Igreja Católica, em 1567.
Como a Patrística, a filosofia Escolástica também esteve inspirada na filosofia grega e na religião cristã. Seu método dialético de unir a fé e a razão tinha como intuito o crescimento humano.
Importante destacar que seus estudos estiveram inspirados no realismo aristotélico, enquanto que os de Santo Agostinho estavam voltados para o idealismo de Platão.
Sendo assim, a Patrística focou na disseminação dos dogmas associados ao Cristianismo, por exemplo, defendendo a religião cristã e refutando o paganismo.
Já a Escolástica, através do racionalismo, tentou explicar a existência de Deus, do céu e do inferno, bem como as relações entre o homem, a razão e a fé.
Continue sua pesquisa. Leia também:

Fonte de referência, estudos e pesquisa: https://www.todamateria.com.br/patristica/



sábado, 24 de novembro de 2018

Mito da Caverna

Mito da Caverna




Mito da Caverna, também conhecido como Alegoria da Caverna, foi escrito por Platão, um dos mais importantes pensadores da história da Filosofia.
Através do método dialético, esse mito revela a relação estabelecida pelos conceitos de escuridão e ignorância, luz e conhecimento.
Foi escrito em forma de diálogo e pode ser lido no livro VII da obra A República.

Resumo do Mito

Platão descreve que alguns homens, desde a infância, se encontram aprisionados em uma caverna. Nesse lugar, não conseguem se mover em virtude das correntes que os mantém imobilizados.
Virados de costas para a entrada da caverna, veem apenas o seu fundo. Atrás deles há uma parede pequena, onde uma fogueira permanece acesa.
Por ali passam homens transportando coisas, mas como a parede oculta o corpo dos homens, apenas as coisas que transportam são projetadas em sombras e vistas pelos prisioneiros.
Certo dia, um desses homens que estava acorrentado consegue escapar e é surpreendido com uma nova realidade. No entanto, a luz da fogueira, bem como a do exterior da caverna, agridem os seus olhos, já que ele nunca tinha visto a luz.
Imagem representativa do Mito da CavernaEsse homem tem a opção de voltar para a caverna e manter-se como havia se acostumado ou, por outro lado, pode se esforçar por se habituar à nova realidade.
Se esse homem quiser permanecer fora pode, ainda, voltar para libertar os companheiros dizendo o que havia descoberto no exterior da caverna.
Provavelmente, eles não acreditariam no seu testemunho, já que a verdade era o que conseguiam perceber da sua vivência na caverna.

Interpretação do Mito da Caverna

Com o Mito da Caverna, Platão revela a importância da educação e da aquisição do conhecimento, sendo esse o instrumento que permite aos homens estar a par da verdade e estabelecer o pensamento crítico.
senso comum, que dispensa estudo e investigação, é representado pelas impressões aparentes vistas pelos homens através das sombras. O conhecimento científico, por sua vez, baseado em comprovações, é representado pela luz.
Assim, tal como o prisioneiro liberto, as pessoas também podem ser confrontadas com novas experiências que ofereçam mais discernimento. O fato de passar a entender coisas pode, no entanto, ser chocante e esse fato inibidor para que continuem a buscar conhecimento.
Isso porque a sociedade tem a tendência de nos moldar para aquilo que ela quer de nós, que é aceitar somente o que nos oferece através da informação transmitida em meios de comunicação e não só.
Desde a Antiguidade, Platão quer mostrar a importância da investigação para que sejam encontrados meios de combate ao sistema, o qual limita ações de mudança.
Saiba mais em:
Conheça outros mitos:


Fonte de pesquisa, referência e estudos: https://www.todamateria.com.br/mito-da-caverna/

TEORIA GERAL DO PROCESSO - PROPEDÊUTICA E PRINCÍPIOS DA JURISDIÇÃO.

TEORIA GERAL DO PROCESSO - PROPEDÊUTICA E PRINCÍPIOS DA JURISDIÇÃO. Teoria Geral do Processo O que é processo? Processo é o m...

O Evangelho de Jesus, alcançando o Mundo!