Escola Biblica

Classificação da Perseguição Religiosa 2020

Classificação da Perseguição Religiosa 2020
Classificação dos 50 Países com Perseguição Religiosa, onde seguir à Jesus pode custar a vida. Atualizado em 2020

Canal Luísa Criativa

sábado, 10 de outubro de 2020

O Fim da Guerra Fria e a Nova Ordem da Década de 1990 - Continuação

 

O Fim da Guerra Fria e a Nova Ordem da Década de 1990 - Continuação


Incertezas e complexidades na Nova Ordem Internacional


Contudo, o novo mundo tornava-se mais incerto, mais complexo e mais imprevisível:



surgiram zonas de conflito em áreas de dissolução da URSS, nos Bálcãs, no Oriente Próximo e em alguns países africanos (Somália, Chade, Congo, Angola, Libéria);

o Terceiro Mundo desintegrou-se com as crises da dívida externa, pondo-se fim à unidade do discurso da década de 1970;

novas levas de imigrantes rumaram das zonas pobres para os países desenvolvidos;


fim do diálogo Norte-Sul, que se iniciara na década de 1960: as Grandes Potências desviaram o interesse no desenvolvimento dos países mais pobres em prol de políticas ambientais e de combate a migrações indesejadas;


a quantidade de armas que havia no mundo, fruto da lógica da Guerra Fria, somada à formação de vazios de poder e de leis em muitos países, estimulou o aparecimento de redes internacionais de crime e de organizações político-terroristas;


ocorreu um refluxo nas políticas de segurança em alguns Estados, como foi o caso da França, que passou a realizar uma série de testes nucleares nos anos de 1995 e 1996;


houve redução da coesão entre as Grandes Potências devido à ausência de um inimigo comum: os polos ocidentais (EUA, Europa e Japão) passam a ser guiados por percepções de interesses especificamente nacionais;


desenvolveram-se tendências introspectivas na Europa, com a institucionalização da União Europeia (UE), a nacionalização da segurança e o protecionismo;


os EUA viram-se como única Superpotência global, mas sem condições de estruturar por si uma nova ordem internacional. Assim, sua política externa passou a orientar-se para (1) a criação de um duopólio com a Rússia (ao alargar o G7 para G8), com o intuito de não ter que arcarem sozinhos com a ordem a construir; (2) o papel de “Estado catalisador” de uma ordem que seria também construída com aliados, como na Guerra do Golfo e na Guerra da Iugoslávia; (3) o papel de garante de uma ordem inspirada na sua própria estrutura de Estado – liberalismo econômico, democracia política e direitos humanos;


a Rússia, após o fim da URSS e o estabelecimento da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), emergiu com sua antiga autonomia sem perder de vista os desígnios de influência a exercer sobre a Europa Oriental, sendo que, dessa vez, com apoio dos EUA, interessados em mantê-la como potência singular no Oriente;


teve-se a contestação dos valores do Ocidente pela dinâmica região formada no Leste Asiático, como liberalismo, democracia e direitos humanos, com a negativa de sua universalidade;

dualidade entre modelo de desenvolvimento asiático e modelo de desenvolvimento do “consenso de Washington” (FMI e BIRD);

a América Latina reaproximou-se da Europa e dos EUA;


a dificuldade para regular a nova ordem anárquico-multilateral conduziu à crise de credibilidade da ONU, do Conselho de Segurança, do FMI, do BIRD, da Organização Mundial do Comércio (OMC) e do G7;


blocos regionais foram criados: União Europeia (UE); Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (APEC); Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA); Associação Latino-Americana de Integração (ALADI); Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN); Mercado Comum do Sul (Mercosul);


vislumbravam-se conflitos de transição entre Grandes Potências, como China e Rússia, que ainda mantinham riscos de confronto com a Superpotência EUA, e também conflitos de equilíbrio regional de poder entre Estados que buscavam uma hegemonia regional, como Coreia do Norte, Iraque e Irã, considerados inimigos pelos EUA pelo fato de sua ascensão perturbar a ordem vigente;


conflitos entre comunidades e identidades nacionais (islamismo, identidades nacionais na Rússia, identidades étnicas, religiosas ou linguísticas nos Bálcãs, na África e na Ásia).

 


O fracasso da recente rodada comercial de Doha (2001-2008) é um corolário disso.


                       
Um filme que retrata de maneira bem-humorada essa nova ordem internacional soba ótica de quem “perdeu a Guerra Fria” é Adeus, Lênin (Alemanha, 2003), dirigido por Wolfgang Becker, sobre as transformações na Alemanha a partir da reunificação, em 1989.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

My Instagram

O Evangelho de Jesus, alcançando o Mundo!